Poeta, MC, ator e escritor, Ayrton Félix Olinto de Souza, mais conhecido como Zinho Trindade, teve seus primeiros contatos com a cultura popular brasileira na cidade de Embu das Artes, onde nasceu. Incentivado pela avó, a artista plástica, coreógrafa e folclorista Raquel Trindade, ainda criança frequentou rodas de umbigada, maracatu e jongo mineiro promovidas pelo Teatro Popular Solano Trindade, dirigido por Raquel e que tem o seu trabalho voltado à preservação e promoção da cultura popular nacional.

Por volta dos 16 anos, descobriu o rap, que mais tarde viria ser a principal vertente da sua produção musical. Adepto do estilo freestyle e da improvisação, apropria-se de samplers de tambores de terreiro e coco para rimar a cultura popular afro-brasileira que conheceu tendo acesso ao legado do bisavô.

Legado este que originou o projeto “Zinho Trindade e o Legado de Solano”, formada pelos músicos Negro Lima, Aimê Uehara, Bruno Duarte, Manoel Trindade e Dj Erry-g. No show eles transformam em música os poemas do poeta negro.

Definitivamente Solano está vivo, não apenas nos improvisos e no sobrenome de Zinho, ou nas coreografias e pinturas de Raquel. O legado do poeta extrapola os laços familiares do clã Trindade, ele está também em João, em Maria, em José, e em cada um dos brasileiros que hoje desfrutam do seu “sangue derramado”.

FACEBOOK